Quando olho no espelho o que vejo?

“…Como são interessantes as pessoas que não conhecemos muito bem..”                                                                                                                        Baltazar Gracián

 

 

ego

 

Gosto muito dessa imagem em que olhamos para o espelho e vemos algo, sempre vemos algo, as vezes uma pessoa grande, forte, bonita ou nem se reconhece mais, e acaba vendo uma pessoa agressiva, dura, feia e por ai vai… É importante perceber que aquilo que vejo é o reflexo do meu interior. O que fazer diante do que vejo?  Nesse momento você mergulha em sua vida e descobre o que o seu interior está refletindo… Apartir dai é preciso lutar para resolver os problemas da vida intima e deixar Deus repousar em seu interior. Se você percebe que é preciso viver o perdão? resolva, complexos? resolva, falta de amor?  resolva.

Nosso coração vive inquieto, na insatisfação, enquanto não repousa em vós. Agostinho de Hipona

Porque somos feitos papa o Deus vivo e porque a nossa alma só pode repousar nEle. É preciso nessa hora alinhar as luzes.

Quando um navio vai se aproximar de um cais para aportar, o pórtico ou o timoeiro tem de ser muito preciso e usar muita pericia para levar o navio até o lugar certo, no ancoradouro, o porto tem uma serie de luzes instalados na água e na orla, a fim de orientá-lo e informá-lo, a cada momento sobre sua posição.

quando se olha para aquelas luzes e se enxerga uma só, é porque elas estão todas alinhadas. Enquanto as luzes estiverem assim, ele saberá que o navio está percorrendo a trajetória certa.

E seguindo dessa forma, mantendo sempre a direção do meio das luzes, o navio chegará seguro, sem perigo de naufrágio.

Vamos alinhar as luzes? Deus é essa luz vamos pedir que ele venha nos ajudar a resolver os problemas da vida intima. Aproveite e se coloque na presença do Senhor e entregue a ele tudo o que você está refletindo.

 Fonte: livro A luta pessoal para resolver os problemas da vida intima                                                                                                                                Pe Jonas Abib

 

Comentários

↑ topo